quinta-feira, 14 de abril de 2011

i watch news DENUNCIA: Activist asbestos inspector faces threats, industry backlash AUDITORA-FISCAL ENFRENTA AMEAÇAS E REAÇÃO DA INDÚSTRIA DO AMIANTO

Tangling with the asbestos industry in Brazil is not for the faint of heart

By Jim Morris and Marcelo Soares

Federal labor inspector Fernanda Giannasi knows this better than anyone, having endured threats, professional ostracism, and other hardships during her quarter-century fight against mining, manufacturing, and shipping interests in Brazil, the world’s third-largest asbestos producer.

Now, the industry has upped the ante. Giannasi, profiled last year in a joint International Consortium of Investigative Journalists-BBC series on the asbestos trade, is fighting charges leveled in two court cases.

In one case, a mining company, SAMA, whose raw asbestos was held up in port by Giannasi, is asking a federal court to prohibit herfrom inspecting its operations because of her affiliation with a victims’ advocacy group, Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto (ABREA) — the Brazilian Association of People Exposed to Asbestos. SAMA is demanding that the government pay 5,000 reais ($3,000) every time Giannasi shows up to inspect. (On March 15, the court denied SAMA’s request to remove her from inspections immediately, pending trial).

In an interview with ICIJ, Elio Antonio Martins, CEO of SAMA’s parent, Eternit S.A., said Giannasi “can’t be one day an activist and another day inspecting the very companies she demonstrated against.”

In the other case, asbestos exporter Cortes Transportation filed a criminal complaint against Giannasi with federal police, alleging she abused her authority while halting shipments at the port of Santos. Cortes wants Giannasi barred from further contact with the company. Cortes officials could not be reached for comment.

Since joining the Ministry of Labor and Employment in 1983, Giannasi has cited countless workplaces for illegally using the toxic, fire-resistant mineral, long tied to cancer and asbestosis. Asbestos products arebanned in São Paulo state, where Giannasi is based, and three other states in Brazil, but they remain legal in the rest of the country. Giannasi has called for a nationwide ban; the Brazilian Congress may vote on such a ban this year.

Giannasi insists that she can keep her advocacy separate from her official duties. “I don’t make any value judgment,” she said. “I enforce the law.” By her reasoning, asbestos cannot be shipped from the port of Santos, where SAMA’s shipments were halted, because the port is in Sao Paulo, where asbestos is illegal.

Giannasialso recently received a threatening letter, postmarked from Berlin. Written in ungrammatical, profanity-laced English, the anonymous writer condemns Giannasi’s “ignorant campain [sic] to ban asbestos” and asserts, “No one will ever win against ‘King Asbestos!’ Impossible! It is forever!”

The one-page, typewritten letter, which bears a stamp depicting a swastika, accuses Giannasi of racism “like the Nazies [sic]” — the implication being that it’s racist to deprive people in developing nations of cheap, reliable asbestos building products. “The sooner You go to Hell (without Asbestos Clothes), the better it will be,” the letter reads. “By the last Breath of the 4-winds that blow, Your words and Deeds will have Revenge on Your Body one Day. That is our promise for You! Your Hate on Asbestos and Your Greed for Money and Your Blindness will be deadly for Your whole Person!”

She turned the letter over to Interpol and asked for an investigation. At least two other anti-asbestos activists, in England and Japan, received similar letters. The two activists also were mentioned in the ICIJ stories.

Although the letter mentions Eternit, the company in a statement denied knowledge of it. Eternit “acts with full transparency” in arguing for the continued, controlled use of white, or chrysotile, asbestos — the type mined in Brazil — the company said, insisting that “Eternit doesn’t need subterfuges like anonymous letters to express its opinion about asbestos.”

Martins, the Eternit CEO, said the unfair condemnation of his company’s products “comes from second- and third-rank governmental authorities, NGOs and the Saint-Gobain group,” which was part-owner, with Eternit, of the Minaçu asbestos mine in central Brazil from 1967 to 1999.

Martins said he has grown accustomed to criticism from public officials — Giannasi included — and advocacy groups, but finds it ironic that Saint-Gobain, a French conglomerate that switched to making non-asbestos building products more than a decade ago, has joined the chorus.

“Before they sold us their share of the mine … they strongly supported asbestos,” he said. “This is like a baker who broke partnership with another baker and spreads rumors that there are cockroach wings on his former partner’s bread.”

Still, as a possible sign of increasing pressure on the asbestos industry, Eternit also is investing more heavily in non-asbestos products even as it tries to neutralize Giannasi. This isn’t a retreat, Martins insisted; it’s merely a reflection of customer demand.

Although 52 countries have banned or sharply restricted use of the fibrous mineral, Brazil remains the world’s third-largest exporter of chrysotile asbestos, sending it to Asia and nations such as Mexico and Colombia. It is also the world’s fifth-largest asbestos user. An industry-funded group called the Brazilian Chrysotile Institute promotes the “controlled use” of asbestos in building materials, water pipes and other products in high demand in India, China, and other countries. Bodies such as the World Health Organization , however, say that no form or quantity of asbestos — which some experts believe will take 10 million lives by 2030 — can be used safely.

While Eternit claims in court filings that Giannasi’s inspections have hurt the company’s bottom line, that’s not evident from its financial reports. In 2010, Eternit had record revenues of 759 million reais ($454 million). Its sales of chrysotile grew from 291,000 metric tons in 2009 to 306,000 last year, with nearly 143,000 metric tons shipped abroad.

The pending court cases, Giannasi believes, are acts of desperation by the asbestos lobby, whose members expressed outrage over the publication of the ICIJ profile in Folha ,Brazil’s biggest newspaper. “If they take me out of the picture, a new inspector would take a lot of time to learn the ropes,” she said.

Giannasi sees the letter from Berlin as someone’s attempt at intimidation.“That will not keep me from doing my work,” she said.

“Twenty-five years is a tumultuous marriage,” Giannasi said of her long sparring match with the industry. “Someday I will retire, but I want to finish my career [by upholding] a different standard. I want to bring some degree of change to society.”

The Brockovich of Brazil

By Jim Morris July 21, 2010
SÃO PAULO — Inching along at rush hour in her battered black Chevrolet Corsa, Fernanda Giannasi joked about the pariah status she’s attained with the Brazilian asbestos industry. “I have no name,” she said. “I’m just ‘That woman.’”

terça-feira, 5 de abril de 2011

Rede de Justiça Ambiental divulga carta de apoio a Fernanda Giannasi

À Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) A/C Exma. Srª. Ministra-chefe Maria do Rosário Nunes

A/C Programa Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos (PPDDH)

A/C Ouvidoria-Geral da Cidadania

Ao Ministério do Trabalho e Emprego A/C Exmo. Sr. Ministro de Estado Carlos Lupi

Ao Ministério de Justiça

A/C Exmo. Sr. Ministro José Eduardo Cardozo

A/C Departamento de Polícia Federal

Ao Ministério Público Federal

A/C Exmo. Sr. Procurador-Geral da República Roberto Monteiro Gurgel Santos

À Secretaria de Políticas para as Mulheres

A/C Exma. Srª. Ministra Iriny Lopes


O amianto, comprovadamente cancerígeno e responsável direto pela morte de muitos trabalhadores envolvidos em seu processamento, foi banido em 66 países e em quatro estados, vários municípios e capitais brasileiros. Apesar disso, o Poder Executivo federal não tomou ainda posição definitiva contra o uso e o comércio da fibra nacionalmente, mesmo após a decisão histórica do Supremo Tribunal Federal (STF), que, em 04/06/2008, confirmou a lei de banimento em São Paulo, modificando jurisprudências anteriores, que impediam que Estados legislassem de maneira mais restritiva do que a União.

O país é um dos maiores produtores, consumidores e exportadores de amianto do mundo, que é utilizado em quase três mil produtos industriais, dentre os quais telhas e caixas d'água que são destinados, sobretudo, às populações mais carentes e, portanto, mais expostas e vulneráveis aos riscos de contaminação.

Frente a essa perversa situação, a Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto (ABREA) e poucas pessoas altamente comprometidas e qualificadas lutam para denunciar essa agressão à saúde e à vida – especialmente a dos mais pobres –, mas sofrem, por isso, constante isolamento, amordaçamento, ameaças, intimidações, perseguição e tentativas de criminalização, como já foi demonstrado no relatório “Na Linha de Frente: Defensores dos Direitos Humanos no Brasil de 2002-2005”, elaborado pelas organizações Justiça Global e Terra de Direitos (http://fdcl-berlin.de/fileadmin/fdcl/Publikationen/relatoriodefensores2005.pdf), também em anexo.

A esses últimos fatos, soma-se uma longa história de ameaças e agressões sofridas por Fernanda Giannasi em função de seu engajamento profissional e social ao lado das vítimas do amianto. Foram vários processos criminais, civis e administrativos impetrados por empresas que vêm explorando e manufaturando produtos de amianto, ao longo das últimas três décadas, e que constituíram poderoso lobby, somente comparado ao do tabaco, em tamanho e poderio econômico, e que se apresentam como Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC). Consideramos que o fato do IBC deter o estatuto de OSCIP – Organização Social de Interesse Público - afronta o marco regulador que criou a figura de OSCIP. Perguntamo-nos em nome de que interesse público o IBC denunciou a Auditora à Comissão de Ética do Ministério do Trabalho e Emprego?

Nas mais recentes ações em busca da criminalização de seu trabalho, encontram-se as reiteradas tentativas de removê-la de sua função na auditoria-fiscal na Superintendência Regional do Trabalho em São Paulo, como o processo ajuizado pela SAMA, do grupo empresarial ETERNIT, na 14ª. Vara Federal de Brasília (Processo 53186-06.2010.4.01.3400), em anexo, que busca “AFASTAR A AUDITORA FISCAL DO TRABALHO ‘FERNANDA GIANNASI’ DA FISCALIZAÇÃO DA AUTORA NO TOCANTE ÀS OPERAÇÕES CONCERNENTES AO AMIANTO” e que, felizmente, teve no dia 18/03/2011 a tutela antecipada indeferida.

Responsáveis por 65% da exportação de amianto “in natura” para a Ásia, as empresas Transportadora Cortes Ltda. e Cortes Armazéns do Guarujá buscaram também afastar Auditora-Fiscal de sua função, para que pudessem livremente agir ao arrepio da lei paulista que proíbe o amianto.

Em primeiro momento, obtiveram êxito junto à Justiça Federal de Santos, que determinou que a engenheira se abstivesse de inspecionar as dependências da empresa, por seu envolvimento social na luta pela erradicação da fibra cancerígena, e alegando “a falta de parcialidade em suas ações”. Contudo, tal decisão foi reformada no Tribunal Regional Federal da 3ª. Região de São Paulo (Decisão 7642/2010 em AGRAVO DE INSTRUMENTO nº 0000023-72.2010.4.03.0000/SP impetrado pela União), em anexo.

Não satisfeitas com as derrotas obtidas nas instâncias superiores do Judiciário, as empresas dedicadas à exportação do amianto buscaram novamente amparo na primeira instância da Justiça Federal de Santos, que solicitou à Polícia Federal que instaurasse inquérito (IPL nº. 5-1217/09-DPF/STS/SP) para apurar possível desvio de conduta da servidora pública por “abuso de poder”. Infelizmente, a autoridade policial local, Dr. Cassio Luis Guimarães Nogueira, foi levado a erro pelas empresas impetrantes e indiciou a servidora, mesmo informado sobre a decisão do Tribunal Regional Federal. Restou patente que mesmo não obtendo total êxito, as empresas teriam o indiciamento como trunfo contra a conduta ilibada da servidora, que tem constantemente comprovado os atos ilícitos cometidos por estas empresas.

Resta agora ao Ministério Público Federal de Santos analisar a conclusão do inquérito policial e decidir se denuncia ou não a servidora. Se isto ocorrer, Fernanda Giannasi terá mais uma vez de ir ao Juízo para se defender das injustas e levianas acusações do lobby do amianto, ávido por manter a servidora e fiscal longe de suas atividades.

Tempo, energia e recursos são consumidos, desviando Fernanda Giannasi de seu trabalho irrepreensível na auditoria-fiscal e na gerência do projeto de erradicação do amianto no Estado de São Paulo.

Diante dessas ameaças, nós, entidades e pessoas reunidas na Rede Brasileira de Justiça Ambiental:

Esperamos que o Ministério do Trabalho respalde a servidora Fernanda Giannasi, no sentido de garantir a continuidade de seu trabalho, que dignifica a sua profissão e dá pleno sentido à fiscalização pública quando denuncia o amianto e as empresas que destroem a saúde dos trabalhadores e das suas famílias.

Solicitamos à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) que acompanhe com atenção o caso, disponibilizando todos os meios e mecanismos necessários à proteção de Fernanda Giannasi, bem como se faça mais presente em questões ligadas ao impacto de amianto, urânio, mercúrio, agrotóxicos e outros agentes e atividades que afetam profundamente pessoas e comunidades do entorno dos empreendimentos que os utilizam ou exploram, em seu direito elementar ao meio ambiente saudável e equilibrado.

Pedimos à Polícia Federal que, fiel à sua missão constitucional, instaure os procedimentos necessários para que seja feita uma investigação sobre as ameaças denunciadas aqui, no sentido de identificar seu(s) autor(es) e assegurar a devida proteção à cidadã Fernanda Giannasi, recorrendo, se necessário à Interpol, que já foi avisada da existência destas cartas anônimas, que ferem a dignidade da pessoa humana.

Solicitamos ao Ministério Público Federal, em sua condição de guardião da democracia, a apuração dos fatos relatados e as devidas providências no encaminhamento, acompanhamento e solução do caso.

Frente a certas empresas e certos setores sociais tão interessados na perpetuação do uso do amianto, que não hesitam em recorrer à manipulação de pesquisas, à chantagem do emprego e da eliminação de postos de trabalho, à criminalização dos que questionam o amianto e à violência, reafirmamos aqui nosso compromisso pelo total banimento do amianto e a nossa total solidariedade para com Fernanda Giannasi e as vítimas deste mortífero produto.

Rede Brasileira de Justiça Ambiental (RBJA)


Rio de Janeiro, March 25, 2011

To: the Secretariat of Human Rights of the Office of the President of the Republic (SDH/PR)

Attn: Minister Maria do Rosário Nunes;

Attn: The National Program for the Protection of the Defenders of Human Rights (PPDDH);

Attn: Special Magistrate for Citizenship

Ministry of Labor and Employment

Attn: Minister of State Carlos Lupi

Ministry of Justice

Attn: Minister José Eduardo Cardozo;

Department of the Federal Police;

Office of Federal Public Prosecutor

Attn: Attorney-General of the Republic Roberto Monteiro Gurgel Santos;

Secretariat of Policies Regarding Women

Attn:Minister Iriny Lopes

Your Excellencies:

Asbestos is a proven carcinogen which is directly responsible for the death of many asbestos workers, has been banned in 66 countries, and which in Brazil has been banned in four states as well as in a number of our counties and municipalities and capital cities.

Nevertheless, the Federal Executive Power has not yet taken a definitive position against the use and sale of asbestos fiber nationally, even after the historic decision of the Federal Supreme Court (STF) which on June 4, 2008, which gave its sanction to the law of the State of São Paulo banning asbestos, and thus reversed previous judicial findings which had prohibited states from passing legislation which was more restrictive than federal legislation.

Brazil is one of the greatest producers, consumers, and exporters of asbestos in the entire world.

It is used in almost 3,000 industrial products, among which asbestos-cement roof tiles and water tanks, which are bought and used by people from the low-income sectors of the population, who experience the greatest levels of exposure and thus the highest risks of contamination.

To resolve this difficult situation, the Brazilian Association of People Exposed to Asbestos (ABREA) and a few dedicated people who are highly qualified to deal with asbestos, have fought to expose and denounce the continuation of a reality which constitutes an attack on people’s health and life---especially on the health and lives of the poor. Members of ABREA and their allies have suffered from constant attempts to isolate, silence, threaten, intimidate, persecute, and criminalize their campaigns to bring justice to asbestos victims and to ban asbestos. These attempts have already been highlighted in the report “On the Front Line: Defenders of Human Rights in Brazil, 2002-2005,” which was prepared and written by the groups Global Justice and Terra de Direitos (Land of Rights) http://fdcl-berlin.de/fileadmin/fdcl/Publikationen/relatoriodefensores2005.pdf

In addition to these last facts, there is a long history of threats and aggressions against Fernanda Giannasi because of her professional and social engagement on the side of the victims of asbestos. Among these are a number of criminal, civil, and administrative actions initiated by companies which have been exploiting and manufacturing asbestos products over the past three decades. These companies—which have constituted themselves into the Brazilian Chrysotile Institute (IBC) constitute a powerful lobby, comparable only to the tobacco lobby in size and economic power. In fact the IBC has been able to overturn a law creating the Social Organization in the Public Interest (OSDIP), in a demonstration of its power to overcome the bounds of regulation. We must ask ourselves: in the name of what public interest has the IBC been able to attack Fernanda Giannasi to the Commission on Ethics of the Ministry or Labor and Employment?

In their most recent actions in which they attempt criminalize her work; there have been repeated attempts to remove Fernanda Giannasi from her function as an inspector in the Regional Superintendence of Labor in São Paulo. Take, for example, the attempt of SAMA, of the ETERNIT management group, to file a complaint regarding Inspector Giannasi in the 14th Federal Branch in Brasília (Trial No. 53186-06.2010.4.01.3400), which attempts to “REMOVE SAFETY INSPECTOR ‘FERNANDA GIANNASI’ FROM CARRYING OUT INSPECTIONS OF THE AUTHOR OF THIS COMPLAINT [SAMA] IN REGARD TO OPERATIONS WHICH CONCERN ASBESTOS” and which fortunately had its complaint disallowed.

The companies Transportadora (Transporter) Cortes Ltda. and Cortes Armazéns (Warehouse) in City of Guarujá, who are responsible to ship 65% of Brazilian asbestos production, also attempted to remove Inspector Giannasi from her official duties, so they could act in open defiance of the law in the São Paulo, a state which bans asbestos.

At first these asbestos companies were successful in their lawsuit with the Federal Court of the City of Santos, which ruled safety engineer Giannasi should abstain from inspection the properties of the company because of her involvement in the social struggle to eradicate the carcinogenic fiber, alleging “a lack of impartiality in her actions.” However, that decision was overturned in the Regional Federal Tribunal of the 3rd Region of São Paulo, (Decision No. 7642/2010 in DAMAGE TO INSTRUMENT No. 0000023-72.2010.4.03.0000/SP filed by the Federal Union).

Dissatisfied with the judicial defeats mentioned above, the companies who are involved in the exportation of asbestos have once again sought protection first of all in the Federal Justice of Santos, which requested that the Federal Police open an investigation--- (IPL no. 5-1217/09-DPF/STS/SP) to investigate possible deviations in conduct by a public servant for “abuse of power”. Unfortunately, the local police authority, Dr. Cassio Luis Guimarães Nogueira, was fooled into error by the companies which accused the public servant, even though he had been informed about the decision of Regional Federal Tribunal.

It became clear that even though they were not totally successful in their goals, the asbestos companies have been able to utilize its charges as a trump card to play against the impeccable conduct of public servant Giannasi, who has been able to constantly prove the illegal acts committed by these companies.

Now is the time for the Federal Public Prosecutor of Santos to carry out an analysis of the conclusions reached by the police inquest and to decide whether or not to indict Engineer Giannasi. If this happens Fernanda Giannasi will be obliged to appear before the court to defend herself against the unjust and frivolous accusations of the asbestos lobby, which is extremely eager to maintain her far away from their activities. Defending herself costs time and energy, and forces her to use up more resources, diverting Fernanda Giannasi from her work as a safety inspector and from her project of eradicating asbestos from the state of Sao Paulo.

In the face of these treats we, the people and organizations united in the Brazilian Environmental Justice, stand firm:

We hope that the Ministry of Labour will support her devoted public servant and will guarantee continuity to her work, which earns dignity and respect for her profession of safety engineer and when it follows up on complaints related to asbestos by disciplining those companies which are destroying the health of the workers and their families.

We strongly encourage the Secretariat of Human Rights of the Office of the President of the Republic (SDH/PR) to pay full attention to this case, and that it marshal all possible means and mechanisms at its disposal for the protection of Fernanda Giannasi, and that the Secretariat pay a great deal attention to issues related to the exposure to asbestos, uranium, agricultural poisons, and other agents and activities which profoundly affect people and communities surrounding the workplaces in question, to help guarantee the elemental right of these communities and people to a safety and balanced environment.

We also ask that the Federal Police prove true to its constitutionally defined mission and open up inquiries and investigations regarding the threats we have detailed in this document, and that it will be able to identify and investigate the people responsible for the threats to Citizen Fernanda Giannasi.

If necessary we hope that the Federal Police will bring in Interpol, if necessary, to help with the investigation. Interpol has already been advised of the existence of threatening letters from anonymous authors, letters which constitute an assault to human dignity.

We request that the Federal Prosecutor, as the guardian of democracy, carry out an investigation of the facts we have presented and take the appropriate measures to arrive at a solution to this case.

When dealing with certain businesses and certain sectors of society who have a personal interest in the perpetuation of the use of asbestos, who will not hesitate to manipulate research data to prove their case, who engage in job blackmail and threats to eliminate jobs, to the actual attempt to make criminals out of those question the use of asbestos and who even resort to violence…we solemnly reaffirm our total commitment to a total ban of asbestos and our total solidarity with Fernanda Giannasi and the victims of this deadly product.

Brazilian Network for Environmental Justice (RBJA)

segunda-feira, 4 de abril de 2011

VIOMUNDO denuncia: As pressões para tirar Fernanda Giannasi da fiscalização do amianto


por Conceição Lemes

Semana passada, aconteceu nas Astúrias, Espanha, a Conferência Internacional da OMS [Organização Mundial de Saúde] sobre Determinantes do Câncer Ambiental e Ocupacional – Intervenções para Prevenção Primária.

O consultor ambiental Barry Castleman, dos Estados Unidos, foi um dos conferencistas convidados. Testemunha-expert nas cortes americanas e consultor dos principais organismos internacionais de saúde, trabalho e meio ambiente em questões referentes ao amianto, ele recebeu à última hora telefonema dos organizadores, solicitando para que, na palestra, descrevesse as pressões da indústria do amianto sobre os profissionais de saúde pública.

“Relatei a situação de Fernanda Giannasi”, observa Castleman. “Não conheço outro país no mundo dito ‘civilizado’ onde os ativistas contra o amianto e profissionais de saúde pública tenham sido processados ou ameaçados de processo criminal, como está acontecendo com essa engenheira de segurança do trabalho.”

“O indiciamento dela pelo FBI brasileiro [Polícia Federal] me parece absurdo”, diz Castleman. “Pelo que sei a Justiça a tem apoiado na interdição de exportação de cargas de amianto a partir do porto de Santos, já que o amianto é proibido no estado de São Paulo. Como pode a Polícia Federal da região portuária tentar incriminar a Fernanda por abuso de poder, se ela estava simplesmente fazendo o seu trabalho de fiscalização e seguindo a legislação em vigor?”

Castleman refere-se à engenheira de segurança no trabalho Fernanda Giannasi, auditora fiscal do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e coordenadora da Rede Virtual pelo Banimento do Amianto na América Latina.

O amianto é proibido em São Paulo, desde 4 junho de 2008, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) validou a lei paulista 12.684, que veda o uso do mineral em todo o estado. Foi por 7 votos a 3.

O ministro Carlos Ayres Britto foi um dos que votaram a favor: “A lei estadual se contrapõe por modo tão frontal à lei federal que simplesmente proíbe a comercialização, a produção, o transporte de todo e qualquer tipo de amianto no Estado de São Paulo”.

“Pela primeira vez o STF eliminou as questões preliminares e foi ao cerne do problema, tomando por base trabalhos científicos idôneos”, avaliou, na ocasião, para o Viomundo o advogado Mauro Menezes, das associações Brasileira dos Expostos ao Amianto (Abrea) e Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANTP). “O STF considerou de forma muito convicta que todo tipo de amianto, em função da lesividade ao ser humano, não se compatibiliza com uma questão maior que está garantida na nossa Constituição, que é o direito à saúde e à vida.”

Explica-se. Todas as formas e todos os tipos de amianto são comprovadamente cancerígenos ao ser humano, inclusive a crisotila, existente no Brasil. Não há dose segura para o risco de câncer; a única quantidade de amianto que protege é a exposição zero, ou seja, exposição nenhuma.

É a posição da OMS, da IARC (Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer), da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Organização Mundial do Comércio (OMC) e do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica, o INSERM, da França, do Instituto Nacional de Saúde Ocupacional, o NIOSH, dos Estados Unidos. Também a da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Brasil.


“Assim, respaldados pela lei paulista e a decisão do STF, eu e as vigilâncias sanitária estadual e a do Guarujá flagramos, em 8 junho de 2009, 26 toneladas de amianto in natura chegar à Cortês [Transportadora e Armazéns], no Guarujá, via Rápido 900”, relata Fernanda Giannasi. “Interditamos a carga, determinando imediato retorno a Minaçu. Interditamos outras 3.100 toneladas, já estocadas no pátio e que iam ser despachadas para a Ásia.”

As cargas de amianto são da SAMA, empresa responsável pela única mina de amianto em exploração no Brasil. É a mineradora do grupo Eternit, o maior do país no setor. Ela fica em Minaçu, norte de Goiás, para onde as 26 toneladas retornaram.

A Rápido 900 é uma das duas transportadoras autorizadas pelo MTE a levar o produto in natura de Minaçu para os estados onde ainda é permitida a sua utilização. A São Expedito, a outra. A auditora fiscal do MTE e as vigilâncias sanitárias interditaram ambas por trafegarem no estado de São Paulo, carregando o material proibido aqui.

A Cortês atua como despachante alfandegário da SAMA junto à Receita Federal. Circulam pelas suas instalações cerca de 180 mil toneladas de amianto por ano, exportadas principalmente para a Ásia, já que o mercado interno do mineral cancerígeno está cada vez mais restrito. Em seus pátios e armazéns, as cargas são transferidas para contêineres marítimos, armazenadas e desembaraçadas. Depois, transportadas ao porto de contêineres da Santos-Brasil, a 6 km de distância.

AUTUADA: “DIREITOS ILEGALMENTE CERCEADOS PELA AUDITORA” A Cortês entrou com várias medidas judiciais contra a interdição das cargas e a proibição de exportação, visando também afastar Fernanda Giannasi das inspeções. A empresa diz ao Viomundo:

A auditora fiscal do trabalho, sra. Fernanda Giannasi, realmente interditou indevidamente algumas cargas de amianto alocadas em nossa sede. Essas cargas já foram desinterditadas em razão de ordem judicial e encaminhadas ao destino. Ressalte-se que nessas medidas jurídicas ficou constatado por perito judicial que nossa empresa adota e cumpre todas as normas de segurança sem expor nossos trabalhadores ou o meio ambiente a qualquer risco. Assim, resta evidente, que as medidas judiciais apresentadas visaram restabelecer os nossos direitos que foram indevida e ilegalmente cerceados pela auditora fiscal.

Entendemos que sra. Fernanda Giannasi não possui a necessária isenção de ânimo, tampouco desinteresse, para fazer fiscalizações em instalações que digam respeito ao amianto, tendo em vista que é ativista pelo seu banimento e, nessa condição, participa pelo menos das seguintes entidades contrárias ao amianto: ABREA-Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto e Ban Asbestos Network no cargo de Coordenadora da Rede Virtual Cidadã pelo Banimento do Amianto na América Latina.

Não foi por outro motivo que o juiz da 24ª Vara Federal de São Paulo concordou que referida funcionária pública não pode fiscalizar a nossa empresa. É tão evidente sua parcialidade que o próprio juiz disse: “… é pertinente o pedido de determinar que a Sra. Fernanda Giannasi se abstenha de fiscalizar a empresa dado que a sua participação em rede virtual para banimento do amianto na América Latina, na qual é coordenadora, revela evidente parcialidade na condição de Fiscal do Ministério do Trabalho”.

DESEMBARGADORA ANULA DECISÃO CONTRA FERNANDA FISCALIZAR AMIANTO “A guerra de liminares favoreceu inicialmente a Cortês, permitindo que exportasse as primeiras 3.100 toneladas interditadas; a Justiça de Santos cancelou a ação da vigilância sanitária municipal”, diz Fernanda Giannasi. “Só que a empresa continuou a receber, transportar e exportar o amianto. Autuei-os novamente. Ela obteve, então, uma sentença de primeira instância da Justiça Federal de Santos que determinou que me abstivesse de fiscalizar a empresa. O juiz aceitou a tese de que não havia imparcialidade na minha ação, mas frustrou as pretensões da empresa quando a proibiu de continuar a receber cargas de amianto até decisão final.”

“Como a minha defesa está a cargo da Advocacia Geral da União [isso ocorre quando funcionários públicos federais são processados devido ao exercício da função], a AGU entrou com recurso [agravo de instrumento], que foi apreciado pela desembargadora federal Salette Nascimento”, prossegue. “A desembargadora [segunda instância] não detectou nada que me impossibilitasse de fiscalizar a Cortês e anulou a decisão de primeira instância.”

A propósito, a Sama, dona das cargas interditadas, entrou com ação na Justiça Federal do Distrito Federal (trechos abaixo), para afastar Fernanda Giannasi, da fiscalização do amianto da empresa. Pediu que antes mesmo de julgada a ação, fosse concedida tutela antecipada. Ou seja, a auditora fosse afastada imediatamente da inspeção. O juiz Jamil Rosa de Jesus Oliveira, da 14ª Vara Federal, negou a tutela antecipada (documento mais abaixo).

“A Cortês tem recorrido em várias instâncias do Poder Judiciário para impedir a fiscalização da empresa”, continua a auditora fiscal. “Num desses processos, o juiz pediu à Polícia Federal que investigasse o caso.”

Em 25 de agosto de 2010, o delegado Cássio Luis Guimarães Nogueira convocou-a para depor nos autos do inquérito policial instaurado a pedido do Juiz da 3ª Vara da Justiça Federal de Santos/SP, em decorrência de outro processo movido pela Cortês para impedir a fiscalização em suas instalações.


O depoimento de Fernanda Giannasi foi no dia 9 de fevereiro de 2011. Saiu indiciada por abuso de poder.

“Estou perplexa, pois compareci para prestar esclarecimentos e colaborar no processo. Estranhei o tom agressivo do delegado, o tempo todo. Desde o início, deixou claro que não se influenciaria pelo o que eu dissesse, o meu indiciamento já estava decidido.”

“Ele me perguntou se já havia sido processada criminalmente. Disse que sim, e pelos detratores de sempre, que querem me tirar da fiscalização do amianto, para ter no setor alguém sem experiência que não lhes crie problemas. Mas sempre fui absolvida.”

O delegado Cássio Luis bateu na tecla de que Fernanda Giannasi não pode ter opinião e tem de declinar conflito de interesses. Sobre isso, ela diz ao Viomundo:

“Não tenho conflitos de interesse, pois não trabalho para ninguém a não ser o Ministério do Trabalho e Emprego, e não tenho qualquer outra remuneração. Sou concursada há 28 anos, tenho dedicação exclusiva e sou carreira típica de Estado. Coordeno uma rede virtual de cidadão, pela internet, trocando experiências e debatendo os riscos do amianto à saúde dos trabalhadores e da população.”

“Sigo à risca o parecer da AGU, que determinou que eu fizesse ações conjuntas com a vigilância sanitária, embora alguns Juízes do Trabalho entendam que a competência da fiscalização dos ambientes de trabalho e onde haja vínculo empregatício é exclusiva do Ministério do Trabalho e Emprego. As vigilâncias sanitárias (do estado, regional e municipal) só não vão junto quando há liminares que as impedem, como ocorreu nas fábricas de fibrocimento usuárias de amianto em Leme e Hortolândia. Aí, fui com o Ministério Público do Trabalho.”

“Nas fiscalizações, não emito juízo de valor acerca da exposição às fibras de amianto. Apenas aplico a lei em vigor no estado de São Paulo, referendada e ratificada pelo STF desde 2008. Só autuo empresas com irregularidades, entre as quais as que transportam, armazenam e exportam o amianto, bem como as que o comercializam e o utilizam.”

“Como o meu direito de defesa foi cerceado – o delegado não me permitiu concluir uma resposta! -, optei por permanecer calada e somente ser ouvida em Juízo, onde terei assegurado amplo direito de defesa garantido por lei”, explica Fernanda. “Até agora não sei o completo teor das denúncias contra mim, pois ele [o delegado da Polícia Federal de Santos] não quis me fornecer sequer cópia da mesma ou detalhes de seu conteúdo.”

Ao final do depoimento, Fernanda assinou um documento onde estava escrito:

Cientificada das imputações que lhe são feitas e de seus direitos constitucionais, inclusive o de permanecer calada, a interrogada respondeu que ‘a interrogada devidamente esclarecida de seus direitos constitucionais, manifesta neste ato desejo de permanecer calada e de só responder às perguntas que lhe forem formuladas em juízo e se forem objeto afinal de processo criminal, de forma que possa melhor se orientar com seu advogado ou aquele que lhe for designado pela Advocacia Geral da União…’

Indiciamento significa que o inquérito, depois de concluído, será enviado ao Ministério Público Federal. Lá, um promotor de justiça federal analisará o caso, para então decidir se instaura ou não processo crime pelo suposto abuso de poder.

Solicitamos à assessoria de comunicação da Polícia Federal entrevista com o delegado Cássio Luis Guimarães Nogueira para falar sobre o indiciamento de Fernanda Giannasi. A resposta à solicitação veio no e-mail abaixo.


Fernanda é incontestavelmente a maior referência no Brasil sobre o amianto. Seu trabalho é reconhecido no mundo inteiro.

“Ela é a agente de saúde pública mais dedicada, corajosa e talentosa enfrentada pela indústria do amianto em qualquer lugar do mundo”, elogia Barry Castleman. “Ela combina as funções de funcionária pública (como auditora-fiscal do trabalho), ativista (como coordenadora de uma rede virtual) e, sobretudo, cidadã exemplar.”

Fernanda também incomoda, aqui e lá fora. Em abril de 2001, Denis Hamel, diretor do Instituto do Crisotila do Canadá mandou uma carta ao então Ministro do Trabalho e Emprego do Brasil, Francisco Dornelles, pedindo “para repreendê-la e enquadrá-la”.

No documentário franco-canadense A morte lenta pelo amianto, Hamel justifica a retaliação: “Ela dá declarações mentirosas, exageradas, que prejudicam enormemente os esforços da indústria”. Ele se refere aos esforços da indústria para convencer sobre a inocuidade do amianto branco crisotila e seu uso seguro e responsável pela indústria em sua tese chamada de “uso controlado”.

Nem uma ameaça de morte calou Fernanda. Em 28 janeiro de 2004, três auditores fiscais do trabalho e o motorista do Ministério do Trabalho e Emprego foram assassinados em Unaí, Minas Gerais. Cinco dias depois da chacina, uma carta anônima, intimidatória, ameaçando-a abertamente, foi enviada à sua casa.

É um dos casos documentados no relatório Linha de Frente: Defensores dos direitos humanos no Brasil de 2002 a 2005, organizado pela Justiça Global e enviado à ONU.

Na ocasião, segundo esse relatório, Fernanda Giannasi enviou e-mail pessoal ao então ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini (ex-presidente da CUT e atualmente deputado federal PT-SP), pedindo garantias de vida e apoio para realizar seu trabalho na fiscalização trabalhista. Ele respondeu de forma muito solidária.

Na prática, porém, Fernanda foi impedida de inspecionar e designada a fazer serviços burocráticos numa sala sem telefone e computador. Era o arquivo-morto da seção. Assim, em vez de protegê-la, Berzoini puniu-a com o confinamento, impossibilitando-a de fazer o seu trabalho por quase dois meses, sob os olhares indignados de parte do movimento sindical e revolta das vítimas do amianto. Sob pressão, inclusive da imprensa, o então superintendente regional do trabalho, Heiguiberto Della Bella Navarro (“Guiba” ), determinou o retorno de Fernanda à fiscalização, sem maiores explicações.

Recentemente, Fernanda recebeu duas cartas da Alemanha, postadas na Universidade de Berlim. O autor faz ameaças de morte e defesa radical do amianto, apresentando-o como sinônimo de Eternit, material indestrutível, capaz de salvar a humanidade da contaminação radioativa.

“Quem deveria estar protegendo a Fernanda é justamente quem tenta, agora, incriminá-la por abuso de poder”, diz, indignado, Eliezer João de Souza, 69 anos, presidente da Abrea, que, em 2000, teve de extrair nódulos dos pulmões.


Todos os tipos de amianto causam: 1) asbestose — endurecimento do pulmão, que perde progressivamente a capacidade de expandir, levando lentamente à morte por asfixia; 2) câncer de pulmão, laringe, aparelho digestivo e ovário; 3) mesotelioma, que pode ser de pleura (membrana que reveste o tórax), peritônio (membrana que reveste a cavidade abdominal) ou pericárdio (membrana que recobre o coração). É um tumor maligno e extremamente agressivo, incurável e fatal, que pode aparecer 35, 40 e até 50 anos após o primeiro contato com o amianto.

“Por ano, o amianto causa 107 mil mortes em todo o mundo. Entre as vítimas, não estão só trabalhadores, mas também consumidores do produto, desmentindo a indústria que diz ser apenas um problema de saúde ocupacional”, informa Castleman. “Em 10 de março, testemunhei num julgamento em Oakland, Califórnia, num caso de mesotelioma de pleura em homem que vendia alimentos nos arredores de fábricas. De 1970 a 1980, ele passava uma hora por dia na frente de uma fábrica de produtos de construção, de onde os trabalhadores saíam cobertos de poeira de amianto, para comprar comida dele. Esse amianto era a crisotila, que ainda hoje é extraída no Brasil.”

“A mídia deveria gastar menos tempo em falar sobre astros de cinema e TV e mais sobre pessoas exemplares, como a Fernanda Giannasi. Os jovens também deveriam ler sobre as pessoas que fazem do mundo um lugar melhor e não exigem como pagamento nada além do que poder fazer o seu trabalho bem”, arremata Castleman.

PS do Viomundo 1: Fernanda Giannasi foi ouvida quinta-feira, 24 de março, em São Paulo, pela equipe técnica do Programa Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (PNPDDH/SDH/PR). O grupo fará um levantamento completo das intimidações, ameaças e ações judiciais que Fernanda vem sofrendo.